Encontro online de advogadas pretas do Brasil vai debater diversidade e empreendedorismo jurídico

0

Realizado pelo coletivo Dororidade Jurídica, segunda edição do Seminário vai contar com a participação da escritora Vilma Piedade e ocorrerá nos dias 04 e 05 de dezembro

PROLAGOS 300_250_pix

A segunda edição do Encontro Online das Advogadas Pretas do Brasil, que terá como tema “Diversidade, Empreendedorismo Jurídico e Direito do Trabalho”, acontecerá nos dias 04 e 05 de dezembro. O Seminário Jurídico, realizado pelo coletivo Dororidade Jurídica, irá contar com uma série de palestras e debates para fortalecer os temas urgentes e que passaram por grandes transformações devido à Pandemia. Criadora da palavra “dororidade”, a escritora e professora, Vilma Piedade, é uma das convidadas do evento.

Vilma Piedade é a escritora que criou o termo Dororidade. Arquivo pessoal.

Durante o encontro, os inscritos participarão de palestras sobre “A discriminação da mulher hipossuficiente na Aplicação da Lei de Drogas (Lei 11. 343/06)”; “Direito Antidiscriminatório”; “Pessoas Trans a Lacuna do Poder Judiciário e o Direito Militar”; “Comprovando o Assédio e o Dano Moral na Justiça do trabalho”; “A Força da Advocacia Preta Feminina no Combate à Violência Obstétrica”; dentre outros.

Para uma das organizadoras, a advogada Mariângela de Castro, os assuntos retratados precisam ser amplamente debatidos e atualizados. “O novo cenário nos obrigou a repensar as formas de trabalho e a recriar novas dinâmicas de empreender, alavancando a advocacia preta. Além disso, ressalto que poucos eventos da advocacia no Brasil possuem a representatividade de profissionais pretos. Estamos partindo para a prática, a fim de mudar essa realidade, dando visibilidade as nossas competências profissionais. É preciso ficar claro que somos capazes de falar além do racismo”, diz ao lembrar de uma pesquisa do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert), de 2019, que apontou que os negros representam 1% dos advogados de grandes escritórios.

O Seminário é aberto e quem quiser participar deve adquirir o ingresso neste link. No site também está a programação completa do evento.

DORORIDADE JURÍDICA – O coletivo nasceu após a criação de um pequeno grupo de Whatsapp composto por advogadas pretas. Atualmente, são 42 advogadas pretas espalhadas por todo Brasil, multiplicando as vivências e buscando por mais integrantes.  Entre as participantes estão: a maior referência preta em Direito Previdenciário do Brasil, Rafaella Lima; a escritora do livro “Torrente Ancestral, Vidas Negras Importam?”, Juliana Souza; e a advogada e ativista dos Direitos Humanos, coordenadora estadual Jurídica e de Comunicação do MNU-RJ e membra Fundadora do (Instituto da Advocacia Negra Brasileira), Margareth Ferreira.

O termo “Dororidade” nasceu da inquietude da escritora e professora, Vilma Piedade, frente à “Sororidade”, um termo fundamental para o Feminismo. “Sororidade une, irmana, mas não basta. O que parece unir todas as mulheres, sem diferença de raça, classe, etnia, é a dor. A dor da violência que sofremos no cotidiano, provocada pelo machismo e que atinge a todas. Mas nós, mulheres e jovens negras temos uma dor a mais: a dor provocada pelo racismo”. Para ela, o coletivo transforma a dor do racismo em potência, em aplicabilidade das leis, uma vez que um grupo de juristas negras sai do lugar da exceção, rompe a bolha da desigualdade, do machismo, da misoginia e do sexismo. É uma honra ter o conceito Dororidade, dando nome ao grupo”, finaliza a escritora.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.