Superintendente no Rio Grande do Sul assumirá Polícia Federal do RJ

Delegado da PF de Macaé, Laterça, era o indicado anterior, mas desistiu de nomeação em meio a notícias de que é investigado pelo MPF

A Polícia Federal em Brasília informou na noite desta quarta-feira (7) que o superintendente do Rio Grande do Sul, Ricardo Andrade Saadi, será o novo superintendente regional no Rio de Janeiro.

No novo posto, Saadi comandará, por exemplo, as operações relacionadas à Operação Lava Jato no estado.

Na semana passada, o delegado Felício Laterça, titular da delegacia da PF em Macaé, desistiu da nomeação para o posto em meio às notícias de que é investigado pelo Ministério Público Federal por supostas vinculações com políticos do Rio, que ele nega.

Laterça é filiado ao PSC e, além disso, o irmão dele, Rodolfo Laterça, trabalhava até recentemente no gabinete do deputado estadual Chiquinho da Mangueira, do PMDB.

Perfil do novo indicado
Segundo o currículo de Saadi disponível no site do Ministério da Justiça, o novo superintendente da PF no Rio é formado em direito e em ciências econômicas, com mestrado e doutorado em direito político e econômico.

Delegado da Polícia Federal desde outubro de 2002, Saadi já foi diretor do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional

Mais detalhes sobre o caso
O delegado Felício Laterça não será mais o superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Ele desistiu da indicação após uma conversa por telefone, na última sexta-feira (2), com o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia.

Indicado para comandar todas as operações da Polícia Federal no Rio, inclusive as da Operação Lava Jato, Laterça é alvo de investigação do Ministério Público Federal por supostas vinculações com políticos do estado, que ele nega.

O delegado é filiado ao PSC. Além disso, o irmão dele, Rodolfo Laterça, trabalhava até recentemente no gabinete do deputado estadual Chiquinho da Mangueira, do PMDB.

De acordo com fontes da Polícia Federal, Laterça teria dito durante a conversa por telefone com Segovia que quer “limpar o nome” e que preferia fazer isso fora do cargo de superintendente.

Segovia havia telefonado para Felício Laterça a fim de conversar sobre as denúncias que surgiram após a indicação dele para o cargo. Nessa conversa, Laterça teria dito que é alvo de perseguição.

O delegado foi acusado de ter ligação com políticos da região de Macaé, no Rio de Janeiro, onde chefia a delegacia da Polícia Federal. A delegacia funciona em um imóvel alugado pela prefeitura.

Delegado da PF de Macaé nega envolvimento com políticos após inquérito aberto pelo MPF

Leia também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.