Estado está preparando obras em rodovia de Búzios, afirma colunista

Moradores acreditam que as obras só serão feitas por conta de um novo empreendimento no local

Na querida e “gigante” cidade turística de Búzios, moradores e visitantes reclama do trecho da Estrada Amaral Peixoto, que liga São Pedro da Aldeia-Búzios, um acesso importante para quem vem do norte do Estado ou da capital, Rio de Janeiro. Segundo a coluna do Anselmo Gois, do O Globo, a estrada será revitalizada pelo Governo do Estado e será anunciado a licitação, que deve ser duplicado, e de outros trechos de rodovias estaduais.

Lembrando que em 2012, no governo de Sérgio Cabral, uma licitação para obras no local foi feita. Materiais para a construção à época estavam na construção e funcionários foram designados para a estrada. Mas por motivos desconhecidos, em 2014 a obra foi parada e os funcionários e materiais foram retirados.

A estudante Paula Costa, moradora de Búzios, acha muito importante essa revitalização. “Sou a favor das melhorias para as pessoas. Aquele trecho em perfeito estado ajuda muito as pessoas e visitantes. Além de deixar mais bonito o local”, afirmou.

O publicitário Levy Lino também é a favor das obras no local, pra ele beneficiaria e tranquilizaria o trânsito da área, que é muito prejudicado pela pista precária. “Os motoristas que se deslocam por ali tem na mente já a trilha de buracos da estrada. dependendo do tamanho do veículo, já vi jogarem na contra mão pra não passar no buraco. Revitalizar é uma palavra que se aplica a tantas necessidades na vida do Buziano que eu não posso dizer algo diferente de ‘sim, eu sou a favor’”, falou.

Alguns são a favor e outros contra, como moradores da região da Rasa e Marina, que falam dessa revitalização há alguns meses, acreditam que essa ação do Estado tem muito com o fato de um empreendimento internacional esteja sendo feito no local, o Condomínio Aretê, do grupo Banco Opportunity.

A obra, de proporções grandes, gera uma discussão entre moradores, visitantes e ambientalistas. Em 2017 foi realizada a dragagem dos canais para a ampliação do calado para 2,5 metros de profundidade, o alargamento dos canais para 30 metros e ainda a expansão e manutenção da Toriba. No Ybirá estão sendo abertas novas vias de acesso ao loteamento e vilas. Já foram iniciadas as obras de infraestrutura (redes de água, esgoto tratado e elétrica). Em 2018 está prevista a construção das primeiras casas da Toriba 1, vilas do Ybirá, Club House no Golfe e clube de praia Rasa. Aretê, com todas as suas características deverá estar concluído ao longo de 10 anos.

Pontos que os ambientalistas de Búzios já estão elencando que podem ser os problemas que o empreendimento trará para a cidade e que a classe política e grupos de diversos interesses, como também a maior parte da população que repete o discurso comum, irá abordar.

Mobilidade: O empreendimento geraria engarrafamentos gigantescos; água: Perda de água doce; fauna: matança (termo que já está sendo usado por alguns) de 300 espécies de pássaros – alguns raros e outros em extinção e crescimento populacional: aumento da população nas periferias com a migração de operários da obra e suas famílias.

Mas há pontos positivos a serem levantados também. Possíveis pontos positivos elencados por alguns setores, em especial por comerciantes: maior visibilidade do destino, aquecimento do setor turístico e incentivos de urbanismo.

Leia também Mais do autor

Comentários estão fechados.