Empresa que enriquece empresa

Mais uma vez o Palmeiras protagoniza um casamento luxuoso com uma grande empresa. Entre 1992 e 2000 a Parmalat patrocinou o porco. Época de grandes nomes no elenco (Edílson, Edmundo, Evair, Zinho, César Sampaio, Roberto Carlos, Rivaldo, Djalminha, Muller, Luizão, Alex, Marcos) títulos (11 ao todo) e logo depois do divórcio a falência. O Palmeiras foi rebaixado (2002) e no leite Parmalat foi encontrado até formol.

Hoje o porco se casou novamente. Agora com a Crefisa(finaceira)/FAM (Faculdade das Américas). Grandes títulos ainda não vieram, mas o elenco é potente (Dudu, Lucas Lima, Gustavo Scarpa, Weverton, Borja, Felipe Melo, Willian, Arouca, Luan, Bruno Henrique, Fernando Prass…), o CT é moderno e o estádio sempre cheio.

Até agora a Crefisa/FAM investiu R$ 100 milhões em 2016 e mais de R$ 200 milhões em 2017. E a ideia é aumentar esses valores gradativamente, portanto, esperem os números de 2018. Para o Palmeiras a chance de títulos cresce com a cobrança, mas e a Crefisa/FAM, porque se meteu nesse negócio?

Dizem que Leila Pereira tem interesse em se tornar presidente do Palmeiras. Ela que é dona da Crefisa/FAM. Empresas que cresceram muito depois da parceria. A FAM que antes do contrato tinha cerca de 5 mil alunos hoje tem 17 mil. E a Crefisa já aparece no TOP 10 dos maiores bancos e financeiras regulados pelo Banco Central.

Em números isso é o seguinte: A empresa patrocinadora tem sua receita dividida entre antes e depois de 2015/2016, quando começou o contrato. Em 2014 a Crefisa declarou patrimônio líquido de R$ 1.812.391, e em 2016 o mesmo patrimônio foi para R$ 3.410.548 (E não citamos número de clientes, depósitos, títulos, aplicações e etc).

Os donos da Crefisa/FAM podem até ser palmeirenses, mas por um lucro desses muita gente se diria fanática até pelo Íbis Sport Club.

Leia também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.