Vegetação nativa da Praia do Peró recebe cuidados

A ação faz parte das normas do Programa Bandeira Azul

As ipomeas evitam que a areia da praia vá para o asfalto / Foto: Divulgação

Nesta semana, começou a ser realizado o cercamento e o plantio de ipomeias (planta nativa dos areais) na faixa de areia da Praia do Peró, em Cabo Frio. A ação visa proteger a praia que é uma candidata ao Programa internacional de qualidade do turismo, Bandeira Azul.

As cercas serão colocadas ao longo do todo o trecho urbano e o plantio só não será feito nos acessos à praia. Os funcionários da prefeitura também instalaram placas indicando que as áreas estão em recuperação e que estão passíveis de multas e outras sanções as pessoas que invadirem as áreas protegidas, em especial veículos (quadriciclos). Vale lembrar que as ipomeas evitam que a areia da praia vá para o asfalto e têm função importante na proteção da orla em caso de ressaca.

O biólogo e consultor ambiental, Mário Flávio Moreira explicou que a recuperação faixa de areia das praias (ante-praias), com plantio de vegetação nativa, deve ser a primeira providência a ser tomada para a reabilitação do ecossistema. No caso da Praia do Peró, segundo ele, foi usada a Ipomoea imperati ou popularmente conhecida como Ipomeia-branca-da-praia, uma planta pioneira típica das zonas costeiras arenosas, estando confinado às dunas e ante-praias, onde tem um importante papel na fixação das areias.

“ As plantas barram o sedimento que o vento sopra da praia e, conforme a vegetação nativa desenvolve suas raízes, rizomas e estolões, o pacote arenoso é fixado. A perda da vegetação torna a praia e a duna mais suscetíveis à erosão causada por ventos e ondas e dificulta a recomposição destes ambientes após a passagem de ondas com alta energia”, disse o biólogo, que atuou na recuperação ambiental da orla de Costazul, em Rio das Ostras.

A ampliação do plantio dá prosseguimento ao trabalho iniciado em 2013 pelo movimento Ondas do Peró que, como apoio dos Amigos do Peró, fez o primeiro jardim de ipomeas em frente ao Hotel Paradiso Peró. Neste trecho, a areia nunca mais voltou a chegar ao asfalto em dias de ressaca e ventos fortes:

“A vegetação típica de restinga é importante para evitar os danos provocados pelas ressacas e poucos sabem que as ipomeas são boas até para o surf, pois exercem influência no fundo da maré. E no Peró temos as ondas que formam os melhores tubos do litoral fluminense” disse Marcelo Valente, do Ondas do Peró, que dá informações diárias sobre as condições do mar para o Rico Surf.

Leia também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.