Marcelo, e suas historias que abalaram Búzios (Semana Marcelo Lartigue)

MARCELO ERA BOM DE PORRADA,

Marcelo na delegacia fazendo ocorrência após ser agredido na redação do Perú Molhado
Marcelo na delegacia fazendo ocorrência após ser agredido na redação do Perú Molhado

Marcelo,gente boa,  nunca bateu em ninguém, mas era bom de porrada, sua arma era a caneta, e por conta disso, os que passaram pela sua caneta ferina e cruel, só tinham um jeito, sentar porrada no Marcelito. Assim foi com um uruguaio que abriu uma churrascaria na shopping numero 1, o cara era picareta e o Marcelo escreveu sobre ele da maneira que somente Marcelo sabia escrever, resultado, o cara era forte e mau e sentou porrada no Marcelo que teve de ser internado na clinica do Dr. Joaquim,  com dentes quebrados, etc e tal.

Mas como ele era bom de porrada, apanhou mas logo estava novo, e aí foi a vez do uruguaio se ferrar, acabou sem churrascaria, respondeu processo na federal e tomou chá de sumiço, nunca mais voltou.

  Para MARCELO O PERU MOLHADO NÃO PRECISAVA DE REVISÃO

Ancelmo Gois, de O Globo, amigo de Marcelo e de Sandro Peixoto, foi muitas vezes capa do Perú
Ancelmo Gois, de O Globo, amigo de Marcelo e de Sandro Peixoto, foi muitas vezes capa do Perú

Quando Marcelo precisava de uma matéria para ontem, eu dizia: precisa fazer a revisão, ao que Marcelo dizia: Para que , os gringos não sabem português, e os brasileiros não ligam e continuava dizendo:  eu achava que Ancelmo era Anselmo, se fizesse a revisão ia mudar o nome de um dos meus melhores amigos.

 Os religiosos quase fuderam o Marcelo   e um  congestionamento de oficiais de Justiça na porta do Perú Molhado

Capa para os 33 anos do Perú Molhado feita pelo Chico Caruso especialmente para o Marcelo. Causou polêmica na religiosa Búzios
Capa para os 33 anos do Perú Molhado feita pelo Chico Caruso especialmente para o Marcelo. Causou polêmica na religiosa Búzios

Marcelo não tinha esse negócio de ficar com medo de uma matéria dar merda. Qualquer colaborador seu poderia escrever o que quisesse, e por conta disso, foi feita uma matéria explosiva do ponto de vista religioso. Marcelo como não lia nada, não ficou sabendo de nada.

De repente não mais do que de repente, chegou uma notificação, depois outra, mais outras, mas uma dezena de outras, mais um monte delas. Marcelo me chamou e disse: estamos ferrados, algo grave deve ter acontecido. Marcelo se preocupava com os pedidos de danos morais onde ele teria de cair com uma grana e isso não era possível para ele que vivia duro.

Fomos ver e vimos que eram ações de Búzios, de São Gonçalo, de Salvador, de Manaus, de Brasilia, de Belo Horizonte, em suma ações de todo o Brasil. Marcelo dizia: mas o Perú Molhado não vai tão longe, como isto é possível?

E as audiências todas para os próximos dia, Marcelo falava como vou fazer? Vou ter de ir em todos esses lugares, vou gastar uma grana.

Vendo todas as ações, vimos que eram as mesmas todas absolutamente iguais, não tiveram nem o cuidado de mudar detalhes. Fizemos uma petição ao Juiz da Comarca de Búzios, explicando o caso e ele, Sua Excelência, aceitou nosso argumento e mandou juntar todas as ações que na verdade era apenas uma e uma vez todas juntas, fez o processo e Marcelo foi absolvido.

Vamos seguir publicando artigos, crônicas e o que mais vier sobre Marcelo por todo o mês, mas como pretendemos que no próximo ano aconteça algo mais organizado em homenagem a ele, continuaremos chamando de Semana Marcelo Lartigue no Prensa.

Eduardo Almeida é advogado, foi delegado da polícia federal. tem o titulo de cidadão buziano e agora a honraria Sobral Pinto e escreveu como jornalista para o Perú Molhado e advogou para Marcelo Lartigue
Eduardo Almeida é advogado, foi delegado da polícia federal. tem o titulo de cidadão buziano e agora a honraria Sobral Pinto e escreveu como jornalista para o Perú Molhado e advogou para Marcelo Lartigue

Leia também Mais do autor

Comentários estão fechados.